Sistema FAEB

CNA participa de fórum para tratar de temas estratégicos do Nordeste

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou de uma reunião do Grupo de Trabalho Nordeste Forte, coordenada pelo Ministério da Integração Nacional, na quarta (7), em Brasília.
 
A ideia do fórum é disseminar informações, buscar soluções conjuntas e compartilhar os problemas que afetam a região Nordeste. Inicialmente formado por entidades do setor industrial, a inclusão definitiva da CNA foi confirmada pelo secretário-executivo do Ministério, Mário Ramos Ribeiro, e pelos demais integrantes do grupo.
 
“Discutimos a questão da Lei 13.340/2016, das debêntures e a situação da Transnordestina. Também falamos sobre as linhas de transmissão e a crise hídrica do Nordeste. É um grupo de grande importância e a nossa participação é decisiva”, afirmou o 1º vice-presidente de Secretaria da CNA, Mário Borba.
 
A Lei 13.340 autoriza a liquidação e renegociação de dívidas de operações de crédito rural nas áreas de atuação das Superintendências de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e da Amazônia (Sudam).
 
Segundo Mário Borba, em uma nova reunião do grupo de trabalho, marcada para o dia 15 de fevereiro, as entidades irão preparar uma proposta para ser encaminhada ao Conselho Monetário Nacional. Entre os pleitos estão a reconsideração aos vetos dos artigos 3º e 36º da Lei 13.340, que tratam dos financiamentos contratados junto a bancos privados, além da prorrogação dos benefícios da Resolução 4.591, do Banco Central, ou mesmo a publicação de uma nova norma que trate das operações de crédito rural firmadas de 2012 a 2017.
 
“Caso não seja possível, queremos uma nova definição do Conselho Monetário para que possamos prorrogar as dívidas desse período”, disse Borba.
 
O secretário-executivo do Ministério da Integração Nacional avisou que as demandas apresentadas pela CNA sobre crédito rural devem ser levadas para discussão na próxima reunião do Conselho Monetário Nacional, marcada para o próximo dia 22. Durante o encontro também foram debatidos o Fundo de Investimentos do Nordeste (Finor) e o Fundo de Investimento da Amazônia (Finam).
 
De acordo com Ribeiro, houve uma devolução de recursos do Tesouro Nacional para esses fundos – aproximadamente R$ 1,2 bilhão para o Finor e de R$ 240 mais 550 milhões para o Finam. Apesar de ambos terem ficado fechados, o secretário-executivo garante que os direitos dos beneficiários estão garantidos.
 
“Tanto o Banco do Nordeste quanto o Banco da Amazônia já estão conversando com a Secretaria de Fundos, por determinação do ministro, para poder verificar a imediata liberação desses recursos”.
 
Ribeiro vê com bons olhos o ingresso da CNA no Fórum. Conforme ele, é fundamental a ampliação do debate para outros setores também. “Acho que a experiência na área rural pode ser perfeitamente trazida para esse Fórum. Há questões ainda pendentes junto ao setor rural que nós podemos negociar conjuntamente e a presença da CNA será muito importante”, declarou.
 
A reunião contou ainda com a presença de representantes do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil e do Ministério das Minas e Energia, além de membros de entidades e Federações da Indústria do Nordeste.

“Apresentamos ao Ministério das Minas e Energia o pleito de que libere a formação de condomínios de produtores rurais para participação em leilões de energia solar e eólica”, afirmou Borba.
 
Vetos – A CNA segue atuando para que o Governo reveja os vetos de alguns dispositivos da Lei 13.606/18, que trata do Funrural e da renegociação de dívidas de produtores do Norte e do Nordeste.
 
Mário Borba e senadores e deputados da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), a exemplo do senador Waldemir Moka e da deputada federal Tereza Cristina, estiveram reunidos com o presidente do Senado, Eunício Oliveira, para conversar sobre o tema.

O grupo defendeu a posição do setor de forma preparatória para a sessão que acontecerá no Congresso Nacional, no dia 22 de fevereiro, onde serão analisados os vetos. Antes, a CNA já havia participado de um encontro na Casa Civil para debater o assunto. “Estamos trabalhando para que possamos resolver, de uma vez por todas, essa questão da inadimplência dos produtores do Nordeste”, disse Mário Borba.

Assessoria de Comunicação CNA

Posts Relacionados

Deixe um comentário

plugins premium WordPress