Sistema FAEB

Tecnologia é desenvolvida para facilitar o manejo e aumentar a produtividade da mandioca

Pesquisadores da Embrapa desenvolveram uma tecnologia que busca facilitar o manejo do cultivo da mandioca de mesa no Cerrado ao mesmo tempo em que aumenta a produtividade e a lucratividade da atividade. É a cobertura plástica do solo no cultivo de mandioca de mesa no Cerrado.

A tecnologia vem ao encontro de uma demanda do setor produtivo que procura formas de aumentar a lucratividade e a qualidade dos produtos oferecidos aos consumidores.

“A utilização de cobertura plástica do solo no cultivo de mandioca de mesa é uma boa opção para os produtores. Ela aumenta a produtividade das raízes, com manutenção da umidade, o controle da erosão, promove a melhoria da qualidade biológica do solo, além da diminuição do ciclo da cultura e da mão de obra no controle do mato”, explica o pesquisador da Embrapa Cerrados, Eduardo Alano.

Os estudos, segundo ele, foram no sentido de identificar como a mandioca se comportaria plantada sob a cobertura, com e sem irrigação. “Vimos que o uso da cobertura plástica do solo proporcionou um aumento de pelo menos 13% na produtividade das raízes. E quando a tecnologia é utilizada juntamente com a irrigação, essa produtividade é ampliada em quase 90%”, afirma o estudioso. As pesquisas também buscaram definir o tamanho ideal dos canteiros e seus respectivos espaçamentos (acesse aqui as orientações completas).

De acordo com o pesquisador, é possível a utilização de uma mesma cobertura plástica do solo para mais de um cultivo. “Ela pode servir para a produção de morango e alface, por exemplo, e  depois para uma safra de mandioca. Dessa forma, é possível diminuir os custos de implantação da cobertura, inclusive com a utilização da fertilidade residual do primeiro cultivo”, explica.

Segundo ele, a mandioca  entra nesses sistemas de produção como uma cultura estratégica, que permite a ampliação da rentabilidade da lavoura e, ao mesmo tempo, quebra os ciclos de pragas e doenças por meio da sucessão e/ou rotação de culturas. Outro aspecto destacado por ele é a possibilidade de utilização da consorciação com outras culturas entre as fileiras duplas de mandioca a fim de contribuir para o enriquecimento, a preservação e a intensificação do uso do solo, bem como para o aumento da diversificação da renda familiar.

Lançamento

A tecnologia de “Cobertura plástica do solo no cultivo de mandioca de mesa no Cerrado” foi lançada na última quinta-feira (25) em um Dia de Campo realizado dentro da programação da Agrobrasília – feira realizada no PAD-DF entre os dias 23 e 27 de maio. O evento ocorreu no estande de olericultura da Emater-DF e reuniu dezenas de agricultores interessados no cultivo da mandioca de mesa.

Um desses agricultores foi o senhor João Bosco de Rezende, produtor rural em Rio Verde (GO), que esteve no evento buscando informações a fim de modernizar o seu plantio.

Atualmente ele produz soja, milho e mandioca de indústria. “Produzo mandioca, mas ainda preciso tecnificar minha produção. Gosto muito de fazer o melhor, por isso vim buscar informação e materiais com nome e sobrenome”, afirmou.

Dentro da programação do Dia de Campo foram apresentadas palestras que trataram do cultivo de mandioca de mesa no Distrito Federal e Entorno, com Antônio Carlos dos Santos e Hélcio Santos (Emater-DF); da BRS 429 – geração, validação e potencial de impacto na cadeia produtiva de mandioca de mesa no DF e Entorno, com Fábio Honorato (Embrapa Cerrados); do manejo da irrigação no cultivo de mandioca de mesa no DF e Entorno, com Jorge Cesar Antonini (Embrapa Cerrados); e dos aspectos práticos da tecnologia de uso de cobertura plástica na produção de  mandioca de mesa, com Névio Guimarães (Emater-DF). Ao final do evento, foram distribuídas aos agricultores amostras promocionais de ramas de mandioca da BRS 429.

(Com EMBRAPA)

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *